Educação

Aprenda a identificar “vagas de emprego” falsas e evite cair em golpes

 


De acordo com a DFNDR Lab, entre janeiro e novembro de 2020, houve mais de 2 milhões de tentativas de golpes de vagas de emprego. Imagem: iStock/Getty Images

Redação NoVitrine / Raabe Andrade

Conviver com tentativas de golpes na internet tem se tornado uma realidade cada vez mais comum. Por isso o cidadão precisa aprender a identificar as principais características das fraudes digitais, para não ser enganado. De acordo com a DFNDR Lab, laboratório de segurança digital da empresa PSafe, que estuda segurança digital no Brasil, apenas em 2020, mais de 5 milhões de brasileiros foram vítimas de clonagem de Whatsapp. Isso sem falar nos outros tipos de fraude, como clonagem de cartão de crédito, lojas virtuais falsas, sequestro de dados pessoais e muitos outros.

Por regra, os golpistas escolhem assuntos que estão em alta, e criam armadilhas digitais com alto potencial de se espalhar pela internet. É só olhar para a quantidade de golpes que surgiram com PIX, por exemplo. E no momento de crise financeira pelo qual o Brasil está passando, com alto índice de desemprego, um dos golpes mais comuns é o das falsas oportunidades de emprego. O mesmo laboratório de segurança digital da PSafe (o DFNDR), identificou que entre janeiro e novembro de 2020, houve mais de 2 milhões de tentativas de golpes, se passando por vagas de emprego.

Principais golpes de emprego

Nessa categoria, o primeiro tipo de golpe mais comum, é aquele em que os farsantes se passam pela empresa e divulgam uma vaga de emprego. Eles podem usar o nome de uma empresa já conhecida, geralmente de renome, ou então um nome fictício. Nesse caso, dependendo do tamanho do golpe, os responsáveis podem chegar até mesmo a criar um site “oficial” ou um perfil no Linkedin e Facebook, tudo para parecer o mais profissional possível. As oportunidades também costumam ser atrativas, com salários ou cargos elevados. No final, os golpistas costumam solicitar os documentos pessoais da pessoa, ou cobrar alguma quantia em dinheiro para que o candidato continue no processo seletivo.

Um outro tipo de golpe é o de agências falsas, onde o objetivo é atrair candidatos para a venda de cursos ou licenças especiais. À esse tipo de golpe geralmente está atrelado o seguinte discurso: “a sua vaga já está garantida, você só precisa fazer esse curso de qualificação para a empresa fechar seu contrato”. Ou então para atividades mais específicas como nas engenharias: “você precisa renovar a sua licença NR 33 e a NR 35. A agência tem uma empresa parceira que emite essas licenças rapidinho…”. Neste ponto o bote já está armado, é a sua última chance de escapar do golpe ileso.

Principais características

Para te ajudar a identificar potenciais sinais de perigo, listamos aqui as principais características que os golpes de emprego costumam ter.

Oportunidades improváveis

Vagas com salários muito altos, entrevista no exterior com todas as despesas pagas ou cargos muito elevados, devem despertar o sinal de alerta. Isso porque oportunidades como essa, com cifras e status astronômicos, não costumam ficar disponíveis para o público comum.

Emails descaracterizados

Empresas e consultorias de RH sérias costumam ter endereços de email personalizados. Por exemplo, o email do Vitrine é [email protected], se aparecer qualquer pessoa, se passando pelo Vitrine, com o email terminado em @outlook, @bol, @gmail ou similares, tenha certeza, não somos nós! Assim também para outras empresas sérias

Contratação às pressas

Se o “recrutador” tem muita urgência, se fica dizendo que você tem que correr, se não vai passar a oportunidade para outro, se fica te pedindo documentos pessoais “para ontem”, pode ter certeza: é golpe!
Nenhuma empresa, por maior necessidade que tenha de fechar determinada vaga, irá fazer um processo seletivo às pressas, muito menos à base de ameaças. A contratação formal de um funcionário é algo muito caro, por isso as empresas são bastante cuidadosas ao contratar.

Solicitação de documentos pessoais durante a seleção

Nenhuma empresa tem o direito de pedir os seus documentos pessoais ou dados bancários durante o processo seletivo. Essa solicitação só pode ocorrer no momento da efetivação do seu contrato de trabalho, ou seja, desconfie de qualquer “empresa”, ou “recrutador” que peça seus documentos, como condição para você fazer a entrevista.

“A vaga tá garantida, você só precisa fazer esse curso de capacitação”

Primeiro de tudo: nenhum consultor pode dar a garantia de que você vai conseguir qualquer vaga. E segundo: a empresa contratante pode até requisitar que você tenha um curso de formação específico, mas de modo nenhum a consultoria ou agência de empregos pode cobrar que você faça um curso com eles, para depois ser contratado pela empresa. Da mesma forma se exigirem licenças específicas, que só podem ser feitas pelas empresas indicadas pela “agência”.

Para finalizar, a última característica que costuma ser infalível para detectar vagas falsas:

Comunicação confusa e erros de português

Se a empresa é séria, se o objetivo dela é claro e se ela já teve todo o trabalho de se estabelecer no mercado, ela não vai se deixar que erros crassos de português abalem sua imagem, muito menos as consultorias de RH sérias.
 
TWITTER
MAIS LIDAS
RECOMENDADAS