Educação

Inclusão digital proporciona oportunidade a gestantes e jovens mães de Palmas





Estudantes Maristas voluntários desenvolvem oficinas de informática para mulheres atendidas na Casa de Marta. Experiência possibilita troca de experiência para jovens de diferentes realidades

Um grupo de estudantes voluntários do Colégio Marista Palmas tem desenvolvido um projeto de inclusão digital na Casa de Marta, uma instituição social da cidade que atende adolescentes grávidas e jovens mães. Com o objetivo de possibilitar a inclusão digital desse grupo, foi pensado um projeto de aulas de informática com metodologia de oficinas que prevê a formação coletiva, momentos de interação e troca de saberes. Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental II ao 2° do Ensino Médio doam parte de seu dia, duas vezes por semana, para levar o conhecimento de forma voluntária. Nesta quarta-feira (5), Dia Internacional do Voluntário, das 14h30 às 15h30, está programada uma atividade do módulo de introdução ao Word.

O objetivo principal do projeto é possibilitar a inclusão digital e social das jovens mães, por intermédio das tecnologias de informação e comunicação. São ações simples, como pesquisas em sites, criar o próprio e-mail, desenvolver um currículo, mas que podem auxiliar às jovens a ter mais chances de conseguir um primeiro emprego como atendente, secretária, auxiliar administrativa ou outros que exijam conhecimentos básicos de informática.

“Meu sentimento é de gratidão. Eu vejo que faço a diferença na vida delas e isso mexe muito comigo. Estando lá, eu percebi que aquilo que era óbvio para mim, não é para muita gente. Elas tinham muita dificuldade de colocar as mãos no teclado no começo, era algo impossível e agora já estão conseguindo. Estou desenvolvendo a paciência, a empatia e a capacidade de ajudar cada vez mais as pessoas. Por outro lado, elas sabem coisas que eu não sei, como ir de bicicleta para a oficina de informática. Isso é muito bacana”, conta Jéssica Cristine, estudante do 8° ano do Ensino Fundamental II.

Segundo Luciana Candida da Silva de Brito, educadora e assessora do grupo, o voluntariado estudantil não é uma ação pontual, ele é um processo educativo e evangelizador, funcionando como uma via de mão dupla. “De um lado, as beneficiadas da Casa de Marta, com uma nova oportunidade de formação e qualificação que pode mudar todo o rumo de sua história. Do outro lado, os estudantes que oferecem um pouco do seu tempo e conhecimento aprendem valores para a vida inteira, como acolhida, solidariedade e a participação coletiva para a mudança do mundo em que vivem. Futuramente, serão profissionais que estarão mais preocupados com a comunidade, com os direitos humanos e desenvolvimento econômico e social”, enfatiza.

DADOS – de acordo com os dados do Ministério da Saúde, crianças nascidas de mães adolescentes representam 81,4 mil (14%) na Região Norte (Portal do Ministério da Saúde, 2017). O estudo "Estatísticas do Registro Civil", elaborado pelo IBGE (2014) aponta que o Estado do Tocantins ocupa a 7° posição nacional com mães jovens, de até 19 anos de idade. A cidade de Palmas já diminuiu bastante o número de adolescentes grávidas nos últimos anos, mas ainda convive com essa triste realidade.
TWITTER
MAIS LIDAS
RECOMENDADAS