Artigos

Feedback: a porta para o desenvolvimento


 A palavra feedback se traduzida “ao pé da letra” seria algo como retorno. No mundo do trabalho processos de feedback se tornaram cada vez mais comuns, seja para comportamentos, desempenho e até para a parte prática/técnica do trabalho. É um processo que eu considero uma “consultoria grátis” que alguém está nos proporcionando. Parece simples não fosse o fato de que uma pesquisa revelou que os brasileiros são os que mais levam o conflito para o lado pessoal (vide link no rodapé). Ou seja, se eu não concordar com o que você diz acreditarei que é puramente pessoal, mais ou menos assim.

 Vamos às hipóteses! Sou subordinado de um líder incrível que me chama para uma conversa sobre o meu comportamento/desempenho e, de modo educado e polido como é de praxe, me mostra que preciso melhorar em alguns aspectos. Ora, devo pensar na importância que tenho, pois ao invés de procurar outra pessoa com estas características no mercado, ele de fato prefere que eu mude e continue na empresa. Devo ser grato, não?

 Sou subordinado de um líder “casca grossa”, “sem papas na língua” que em tom, talvez desagradável, disse a mesma coisa do líder anterior (vamos pensar que ainda que ele aja desta forma ele possui outras habilidades e atitudes que o colocaram no cargo). Primeiro ponto, sempre tem que ter alguém sensato na relação entre duas pessoas, se ele não está sendo, então sobrou pra mim. Traduzo mentalmente a mensagem e chego ao mesmo objetivo “na importância que tenho, pois ao invés de procurar outra pessoa com estas características no mercado, ele de fato prefere que eu mude e continue na empresa. Devo ser grato, não?” Ok, é preciso muita humildade e resiliência, mas ainda assim é possível extrair gratidão.

Em todo caso, pego o que foi proveitoso e vou me autodesenvolver, crescer, evoluir. Levar para o lado pessoal só me prejudica, trava minha relação com os outros e mostra o quanto sou imaturo para o ambiente profissional. Se eu não aceito feedbacks é por que me considero perfeito! E será mesmo que já atingi este nível?
Você deve se preocupar se duas destas situações estiverem ocorrendo: excesso de feedbacks ou total ausência deles. No mais, aproveite cada palavra que alguém estiver colocando para você e não pense em responder, às vezes, você nem precisa responder na hora e, outras, você nem deve responder, o importante é absorver e ir se desenvolver.

http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1346508-16022,00-BRASILEIROS+MISTURAM+O+LADO+PESSOAL+COM+PROFISSIONAL.html

Sucesso a todos!

Lunna Dias, Psicóloga, Master Coach, Formação como Consultora DISC, Formação de Analista de Cargos e Salários, MBA em Gestão de Pessoas, Especialista em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas.
Dúvidas e sugestões: lunnadias@smartgroupbrasil.com.br.
 
Leia sobre: CoachingFeedbackLunna Dias
TWITTER
MAIS LIDAS
RECOMENDADAS